terça-feira, 21 de junho de 2011

Forte

Deu sede.
Sede de beber a alegria da vida.
Acendeu a luz.
Deu medo.
Medo de perder o controle,
Encontrar o céu,
Esquecer o rumo de casa.
Abriu a janela.
Deu frio. Arrepio.
Deu a louca nela.
Bebeu uma taça de vinho,
Abraçou o espelho,
Pôs um samba pra tocar.
Rugiu por dentro,
Amou por fora,
Reaprendeu a acreditar.

6 comentários:

  1. Os versos andam transbordando sentimentos e sensações por aqui. =D

    ResponderExcluir
  2. Vida é verso, Jean Piter!...
    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Renata,

    quero morrer de sede...
    quero uma música alta, um sol me chamando para a vida, e um poema bom, como o que acabei de ler, para brindar a vida !!!!

    que lindo....
    fez sol no meu domingo...

    beijo enorme

    Solange Maia


    www.eucaliptosnajanela.blogspot.com

    voltei...

    ResponderExcluir
  4. Solange querida,

    Vejo da minha janela o sol entrando em cheio na sua vida!
    Que bom que voltou!

    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  5. É isso aí, amiga, depois da noite, o sol brilha!

    Enchendo minha tacinha de vinho... beijos!

    Vick

    ResponderExcluir
  6. Enchendo a vida de aroma e sabor, querida Vick!...
    Tim-tim!
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir